Diversidade, em todos os sentidos

Arquivo para a categoria ‘Movimento LGBT’

Rachel Sheherazade: o eco reacionário e fundamentalista na TV

852cb_raquel-sherazade

O jornalismo é um retrato da sociedade, e indubitavelmente é palco de disputas ideológicas entre correntes políticas e filosóficas, entranhadas sob a máscara da ‘imparcialidade’. Neste palco, uma personagem vem ganhando destaque como representante de vozes reacionárias, conservadoras e fundamentalistas religiosas: a jornalista Rachel Sheherezade, âncora do telejornal SBT Brasil.

Ela tornou-se célebre nacionalmente por um comentário onde criticava o carnaval da Paraíba, estado onde nasceu e iniciou sua carreira como jornalista. Aos 39 anos, deixou seu estado natal para assumir a bancada do principal telejornal do SBT e lá, continuou a se posicionar de forma dura sobre diversos pontos, sempre deixando claro suas visões de mundo conservadoras, usadas ad nauseam por reacionários por todo o Brasil.

Num estado democrático de direito, não há problema nenhum que Rachel expresse seus pontos de vista, por mais infelizes que a maioria deles seja. O problema é que a jornalista utiliza a bancada do telejornal para reforçar estereótipos e para atacar princípios constitucionais como a laicidade do estado. Sobre a decisão da Justiça Federal de São Paulo em negar pedido do Ministério Público Federal para obrigar a União e o Banco Central a retirada expressão “Deus seja louvado” das cédulas de real, Rachel despejou suas falácias em relação ao tema, dizendo que o ‘cristianismo está sendo perseguido pelos defensores do estado laico, que voltaram sua ira contra a minúscula citação nas notas’. Ignorando a história da civilização, acusou os defensores da laicidade do estado de ingratidão com a doutrina que, segundo ela, inspirou os valores, a cultura e a própria constituição federal, esquecendo que o estado não possui religião e não expressa religiosidade, sendo esta de foro íntimo dos cidadãos.

Como esperado, após a primeira incursão no campo da religião, uma especialidade da jornalista, Sheherezade voltou a repetir as mesmas falácias esquizofrênicas de perseguição religiosa contra cristãos, em um país onde mais de 90% da população professa a mesma tendência religiosa, quando da decisão do Conselho da Magistratura do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, que determinou a retirada de crucifixos e símbolos religiosos dos prédios da Justiça gaúcha. Vestida de um coitadismo ímpar, ela engrossou o coro de fundamentalistas religiosos, classificando a decisão acertada do TJ-RS de ‘intolerância religiosa’, questionando a laicidade do estado com o argumento inacreditável de que ‘a constituição foi promulgada sob a proteção de deus’, ignorando que a frase consta APENAS no preâmbulo da Constituição, e que na prática, vale tanto quando o ‘volte sempre’ escrito em saquinho de padaria. Claro, ela ainda fez questão de ressaltar que 90% dos brasileiros são evangélicos ou católicos, defecando em cima das minorias religiosas, e até mesmo dos ateus, uma suposta supremacia cristã aparentemente inquestionável, de acordo com a moça.

Finalmente, para surfar na polêmica mais recente, Rachel Sheherezade rasgou o resto da fantasia democrática que vestia, ao defender a manutenção do deputado e pastor Marco Feliciano na presidência de Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara. Começando seu editorial com o coitadismo já demonstrado anteriormente, ela evoca que a liberdade de crença é um direito constitucional, e que não podemos confundir o pastor Marco Feliciano com o deputado. Como acredito que Rachel tenha aprendido pesquisa de pauta durante sua carreira, só posso crer que ela é mal intencionada ao ignorar que quem confunde as duas atribuições é o próprio deputado, inclusive ao tentar explicar porque paga pastores de sua igreja como ‘assessores parlamentares’, que não dão expediente em Brasília e nem em nenhum escritório político.

Na sequencia de falácias, que parece ser uma marca da âncora do SBT, ela faz questão de reafirmar que Marco Feliciano foi eleito democraticamente como deputado. E quem questionou o mandato (cheio de acusações de crimes) de Feliciano enquanto deputado? Novamente, uma pesquisa de pauta, mesmo que simples, apontaria que os protestos contra ele, classificados por Rachel como ‘gritaria’, são para que ele deixe a presidência da CDHM, e não seu mandato como deputado. E que fique claro para a jornalista que Feliciano não foi ‘democraticamente eleito’, mas estrategicamente colocado no cargo com a complacência de parlamentares do PT, PMDB, PSDB, PSB e DEM, dando 10 cargos da comissão ao PSC, ignorando os critérios de representatividade regimental dos partidos nas comissões. Foi apenas um acordo político, e não uma ‘eleição democrática’.

Pra fechar com chave de ouro, a jornalista ainda tem a pachorra de dizer que não se pode confundir as OPINIÕES PESSOAIS, por mais polêmicas que sejam, de Marco Feliciano com sua atuação como parlamentar. E desde quando essa separação é feita para qualquer ocupante de cargo público no Brasil? Quando um parlamentar dá entrevista, participa de um evento público ou emite QUALQUER opinião, quem está falando é o PARLAMENTAR, além do cidadão. Não há botão que alterne o político e o cidadão, e este, quando eleito, está 24 horas por dia investido do cargo para qual foi empossado. As opiniões de Feliciano, Sheherezade, não são ‘polêmicas’: são homofóbicas, machistas, misóginas, racistas, intolerantes com religiões minoritárias, reforçam estereótipos e preconceitos contra estas minorias, dando base para todo tipo de ação violenta (física ou psicológica) contra elas.

A defesa ensandecida por fundamentalistas religiosos como Marco Feliciano tem agradado reacionários de todos os campos, como o colunista da revista Veja, Reinaldo Azevedo, e o também pastor (e igualmente homofóbico) Silas Malafaia. Em Sheherazade, os reacionários de toda sorte encontram o eco para suas ideologias tortas e segregacionistas, que raramente encontrariam em outros jornalistas na grande imprensa (ao menos, não de forma tão explícita).

Democraticamente, não torço que Sheherezade saia do ar, pois acredito que ela realmente seja o eco de uma parcela da sociedade que, de uma forma ou outra, vai encontrar um canal para dar vazão ao seu chorume intolerante. Só espero que, amanhã e depois, os sons deste eco, carregado de moralismo e discriminação seja cada vez mais difícil de escutar em meio a gritos e cantos que louvem a igualdade, a diversidade e o amor incondicional a humanidade.

<<< Atualização >>>

No dia em que posto este texto, a jornalista Rachel Sheherezade nos brinda com mais um editoral cheio de conservadorismo religioso e poucos argumentos contra o aborto. Sem apontar um motivo plausível para que o aborto de fetos até 12 semanas não seja permitido, ela apela para todo o tipo de falácia: desde dizer que os médicos estariam propondo a mudança por interesses financeiros até tendo a coragem de comparar mulheres a NINHOS DE PÁSSAROS! É, Sheherezade realmente estudou a fundo as cartilhas conservadores, reacionárias e contra as liberdades da minorias.

Indigência intelectual, ‘homossexuais criminosos’ e a imprensa homofóbica

Na tentativa desesperada de alguns detratores dos direitos LGBT em desqualificar toda uma gama de pessoas que tem em comum apenas seus afetos dissonantes da sociedade heteronormativa, vale qualquer arma. Alguns preferem a velha e boa torção de declarações alheias, como dizer que um deputado ‘fere o estado laico’, ao dizer, em entrevista, que foi eleito pelos Orixás. Outros usam a mentira mesmo, atribuindo declarações que nunca foram feitas, criando pretensões nunca aspiradas pelos movimentos sociais e fazendo leituras tortas dos artigos de leis que garantem a cidadania de minorias. Mas uma categoria bem específica de homofóbico é o que tenta atribuir a homossexualidade características, delitos e estereótipos que em nada tem a ver com a sexualidade em si.

Durante este semana, alguns perfis conhecidos de fundamentalistas religiosos nas redes sociais fizeram um esforço para tentar ligar a orientação sexual de um casal gay ao fato deste casal ter agredido e torturado o filho adotivo, de cinco anos. Exceto em casos de agressão motivada por orientação sexual ou identidade de gênero, nenhuma destas características é relevante para o contexto de matérias jornalísticas, e é neste ponto que grande parte da imprensa colabora com o reforço de estereótipos negativos de homossexuais.

pescologos2

Ora, o que a orientação sexual do casal colabora no contexto da reportagem? O mesmo tipo de agressão e violência doméstica contra crianças não acontece com casais heteros cotidianamente? Dizer que o casal adotivo da criança tem alguma outra função no texto, além de tentar reforçar os estereótipos de que casais homossexuais são menos capazes de criar crianças do que casais heterossexuais? Se tivesse, outras centenas de matérias sobre abuso sexual ou violência contra crianças também deveria deixar claro, no título, que os agressores tratam-se de heterossexuais.

Munidos de matérias que enfatizam a orientação sexual de agressores de crianças, homofóbicos de toda sorte ecoam a elação óbvia que a imprensa entrega mastigada: a criança só foi agredida porque o casal era gay, ignorando o número assustadoramente maior de heterossexuais que comentem o mesmo crime.

pescologos1

O problema desta elação preconceituosa, além de ser falsa, é que ela abre o precedente para que possamos fazer o mesmo tipo de correlação a crimes cometidos por pastores, por exemplo. Posso dizer que todos os evangélicos são pedófilos porque alguns pastores abusaram sexualmente de jovens (aqui, aqui e aqui)? Ou posso então afirmar que pastores evangélicos são moralmente inferiores, já que alguns deles (aqui, aqui e aqui) cometeram crimes? Devo julgar todos os pastores da mesma forma que um acusado de estelionato, de usar mandato público em detrimento de sua igreja e por pedir a senha do cartão de crédito de um fiel? Por motivos óbvios, claro que não!

Homens, mulheres, brancos negros, indígenas, gays, travestis, heteros, cristãos, muçulmanos, umbandistas, jornalistas, psicólogos, médicos, pastores, jovens e idosos cometem crimes, mas o simples fato de pertencer a um destes grupos ou a qualquer outro não é um fator relevante para alguém cometer um crime. Não há determinismo em um crime, mas sim uma série de fatores diferentes que antecedem a sua execução.

Tentar usar qualquer característica de um criminoso como fator determinante para o crime em si serviu para discriminar negros, indígenas, religiões minoritárias, nordestinos, ciganos, moradores dos subúrbios e das favelas, além de homossexuais, e para justificar qualquer violência contra esses grupos, como negar direitos e cidadania. São preconceitos abjetos como estes que criaram estereótipos deformados, e que escavaram ainda mais o abismo entre as minorias e o resto da sociedade no Brasil. Cabe a todos nós tapar este abismo com dignidade, humanidade e verdade.

Opção sexual existe sim!

Image

Desde que os movimentos LGBTs começaram a conquistar um tímido (mas importante) espaço de visibilidade nas ruas e na mídia mundial e brasileira, uma discussão que surge sempre entre ativistas, pró e contra os direitos dos homossexuais é se ser gay é uma escolha ou se é algo ‘natural’. No centro deste embate, uma discussão ideológica e filológica sobre o uso do termo ‘orientação sexual’, preferido pelos ativistas LGBT, em contraponto ao ‘opção sexual’, usado por fundamentalistas religiosos e reacionários de todas as linhas.

Este último tem um caráter obviamente pejorativo e é usado para tornar a sexualidade humana (no caso, a homossexualidade), em algo menor, uma besteira que a gente faz e que amanhã pode corrigir. Ao chamar de ‘opção’, diminui-se a complexidade da construção da sexualidade humana, inerente a todas as pessoas, cujas vivências, experiências, e influências ambientais e culturais alteram o resultado final. A ‘opção’ não é uma construção, mas uma escolha. É como abrir o freezer da padaria e escolher entre tablito e chicabon, sem muita reflexão sobre o que se está fazendo. A tal ‘opção sexual’ ignora a complexidade do processo de construção da sexualidade, que influencia quem somos hoje, e reduz ao simplismo da escolha nossos afetos, nossos amores.

Os adeptos da ‘opção sexual’ adoram sustentar seu frágil argumento com a seguinte lógica: “A ciência não provou que as pessoas nascem gays ou lésbicas. Então, ser gay e lésbica é uma escolha. Se não for assim, cadê o gene gay? Onde está o DNA do homossexual?”. Como já se percebe, os adeptos da ‘teoria da opção’, gostam de reduzir a questão a um simplismo infantil. Realmente, a ciência não tem um consenso sobre o que torna pessoas heterossexuais ou homossexuais, mas sabe-se que fatores genéticos (não ligados apenas a um único gene), ambientais, biológicos e culturais moldam a sexualidade humana ainda na primeira infância, e que este processo não pode ser alterado. Ou seja: se você tiver de ser heterossexual, nada mudará este processo. A recíproca é verdadeira para os homossexuais e bissexuais.

(E outra: a ciência não provou que existe ‘gene gay’, mas também não atestou que a sexualidade humana seja passível de escolha. Nestas horas, tem muito religioso que faz ‘uso’ da ciência, mas a ignora em questões como eutanásia e aborto. É a ‘confiança seletiva’, né?)

 

Então não existe ex-gay? Existe sim!

Ok, não existe processo que altere o produto final (e natural) da sexualidade humana. Mas e como existe gente por aí dizendo que é ‘ex-gay’ ou ‘ex-lésbica’, casando, tendo filhos e vivendo uma vida (pretensamente) feliz? Simples: você não molda seus desejos, mas molda sua expressão. Você não escolhe de quem gosta, mas pode emular um sentimento, ‘fingir que gosta’, por conveniência ou opressão. Se não acontecesse assim, milhões de casamentos arranjados pelo mundo a fora não teriam funcionado durante a história da humanidade. Funcionaram, geraram filhos e ‘famílias’, que por mais falta de interesse que houvesse entre o casal, cumpriram seu papel social.

Um ‘ex-homossexual’ é uma pessoa que sente atração sexual e afetiva por pessoas do mesmo sexo, mas que reprime estes sentimentos e busca relacionar-se com pessoas do sexo oposto. Esta escolha raramente acontece de forma espontânea, natural, sendo normalmente ocasionada por pressão da família, dos amigos, da igreja e dos demais grupos sociais que o sujeito está inserido. É o caso dos padres e outros religiosos celibatários, que optam por não fazer sexo (teoricamente), nem com homens nem com mulheres. Os desejos (ou tentações, como eles gostam de chamar) estão lá, mas não encontram vazão, por um motivo ou outro. Neste caso, cabe apenas um exercício de semântica. Se um homossexual deixa de fazer sexo com homens, ele vira um ex-gay. Se um heterossexual entra para uma seita que exige o celibato, ele vira ex-hetero. Certo? Se a gente colocar nestes termos, tudo certo.


O terrorismo psicológico

Em linhas gerais, eu não veria problema algum em um hetero ou gay buscar experiências com o sexo oposto ou com o mesmo sexo, desde que estas experiências façam parte de uma experimentação saudável da sexualidade humana, sem paranóias, cobranças ou obrigações.

Um heterossexual pode experimentar sexo com o mesmo sexo e curtir, passando a ser bissexual ou até mesmo gay/lésbica. O mesmo vale para homossexuais, que durante sua vida, podem descobrir novos desejos, se atrair por outras pessoas, tentar coisas novas. Mas o processo tem de ser natural e saudável, e não imposto por ninguém.

A afetividade das pessoas, em todos os tons que possam existir, não pode ser alvo de maledicências, de ataques morais e até mesmo de terrorismo psicológico/religioso, o que tem levado muitos homossexuais, com seus desejos completamente naturais, a mutilar seus afetos, sua consciência e sua identidade. Não há paraíso, céu ou qualquer outra promessa post mortem que compense negar quem você verdadeiramente é. Não há pressão psicológica em casa, na escola ou no trabalho que não encontre ombros amigos que aceitem você como você verdadeiramente é. Nenhuma pessoa verdadeiramente de bem pode compactuar com tamanha (e silenciosa) violência.

Luiz Mott volta a detonar defensores da ABGLT em troca de e-mails

Em nova troca de e-mails, outro membro da ABGLT, o ativista Victor de Wolf, do Grupo Diversidade, de Niterói, critica o tema do Seminário LGBT do Congresso [sobre infância], e em seguida, parte para o ataque ao mandato do deputado Jean Wyllys.

A frente ficou louca??? O Jean ficou louco???

Estão propondo a nossa própria forca???

Acho bacanérrimo debater a infância, suas sexualidades, mas na academia, no CRP, não no Congresso Nacional. Isso é fatalmente pauta negativa contra nós.

Precisamos ser contra.

Victor De Wolf

Outro ativista, e membro da ABGLT, Vinícius Alves, propõe um boicote ao evento promovido pela Frente Parlamentar LGBT, presidida pelo deputado Jean Wyllys. Vinícius, à época, faz planos para que a ‘Marcha contra Homofobia’ seja um sucesso, mas pouco mais de 300 pessoas compareceram e apenas TRÊS parlamentares: os deputados Chico Alencar e Jean Wyllys (PSOL-RJ), além do senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP).

A melhor forma de ser contra é orientar a nossa base a não aderir.

Temos foco. Audiência com a Presidência para termos um posicionamento oficial sobre nossas pautas e o debate da criminalização da homofobia, que será feito na audiência pública que a Marta Suplicy está puxando.

O Jean cria as pautas do mandato dele e acha que o movimento tem que engolir. Não acho que devemos ser publicamente contra, mas não devemos nos somar a algo que não fomos sequer consultados no processo.

Vamos que vamos, a III Marcha tem tudo para ser melhor que todas as outras. Pressionar, pressionar, pressionar, até a vitória!

Vinícius Alves

Wesley, do Fórum Baiano LGBT, preocupa-se com o tema do seminário, que foi um sucesso de público e teve debates de alto nível.

 Em reunião do Fórum Baiano LGBT realizada ontem, com a presença de 14 entidades, resolvemos, por unanimidade, fazer um ofício ao Gabinete do Deputado Jean Wyllys, alertando-o sobre o problema deste tema, nosso descontentamento e propondo uma mudança de tema.

Wesley Francisco, Fórum Baiano LGBT

Novamente, Victor critica o mandato do deputado Jean Wylls.

Wesley,

Muito bom! Parabéns pela ação.

O Jean não fez uma linha de emenda para políticas públicas LGBT no Rio de Janeiro, seu domicílio eleitoral. Uma pena, lamentável…

Victor De Wolf

E Wesley rejeita os ataques, enfatizando que defende apenas o tema do seminário.

Escureço que esse debate não tem a ver com as questões colocadas nesta lista. O que debatemos aqui na Bahia foi o tema do evento do Jean que, acreditávamos, poderia dar munição para nossos opositores.

Nada a ver com os desdobramentos que se seguiram sobre os eventos. Isso não era da nossa alçada.

Só para registro.

Wesley Francisco, Fórum Baiano LGBT

Para nossa alegria, novamente, Luiz Mott, co-fundador do Grupo Gay da Bahia, intervém, e restabelece a verdade, apontando as discrepâncias no discurso da ABGLT e suas afiliadas.

Militantes lgbt da bahia, abglt  e  listeiros

A explicação do Wesley, do fórum baiano lgbt, escureceu mesmo!

E confirma a falta de visão estratégica da abglt e fórum baiano e sua debilitada previsão política, já que o ato  do wylys conforme relato dos que estavam em Brasilia, BOMBOU, mais divulgado que o oficial da abglt com Martha. E não teve qualquer utilização homofóbica por parte dos nossos inimigos. Mostrem com reportagens e não com blábláblá.

Mais um erro do forum baiano, correia de transmissão acrítico e pelego do governo via abglt, que ERROU FEIO AO APOIOAR O SUBSTITUTIVO DO CRIVELA/MARTHA/ ABGLT, lembram da cartinha do forum que enviaram para a senadora Lidice e demais senadores pedindo apoio ao substitutivo, alias, nunca responderam como foi deliberado o envio desta carta, o Juvenal e demais membros do colegiado todos votaram? Ou mais uma canetada ditatorial dos atuais mandatários?

Só para registro do outro lado da historia.

Luiz Mott

 

***

ATUALIZAÇÃO (29/05/12 – 15h51)

Desmentindo Victor de Wolf, o deputado Jean Wyllys fez sim emendas para os LGBT do Rio de Janeiro, estado pelo qual foi eleito. Os dados podem ser vistos aqui.

Luiz Mott detona presidente e diretor de ABGLT em troca de e-mails

Confiram a seguir uma troca de e-mails na comunidade de ABGLT.


Companheiras/os,

Entendo que não há contradição entre as diversas formas de luta do movimento LGBT. Fazer a Marcha em Brasilia foi um passo importante na consolidação da ABGLT e das táticas do nosso movimento. Demoramos quase uma década – das cogitações iniciais à I Marcha – para concretizar a proposta, com substância política. Será que não é melhor avaliar com muita calma a III Marcha para depois querer mudar tudo, de uma hora pra outra, sem reflexão mais fina? Será que não estamos sendo apressados, voluntaristas, pensando mais com o “fígado”, impressionados com um eventual resultado abaixo da expectativa?

Não vamos jogar a criança fora junto com a água suja da bacia!!! Melhorar, reavaliar, sim. Descartar uma grande conquista e ferramenta de luta, visibilidade e incidência política, assim, “a seco”, não parece algo inteligente, nem sensato. Temos Congresso Estatuinte, temos Congresso sucessório. Dá para debater o tema com calma. No mais, uma coisa não inviabiliza outra. Podemos fazer Marchas nos Estados no início de maio e fazer a Marcha para Brasilia na semana do dia 17 de maio. Seria mais um reforço. Ou podemos fazer a Marcha à Brasília bianualmente. E a intercalaríamos com Marcha simultâneas nos Estados.

Enfim, esse é um apelo para reflexão detida, principalmente para os que estão visivelmente chateados pelos episódios da III Marcha e podem não estar com o necessário distanciamento para julgar com isenção”.

(E-mail encaminhado por Julian Rodrigues, membro da diretoria da ABGLT e da setorial LGBT do PT)

Em seguida, a resposta do presidente da ABGLT, Toni Reis, referindo-se em tom jocoso sobre a manifestação contra a ‘gayfobia’, promovido pela ONG ArtGay, de Maceió (AL).

“Julian ótimas reflexões.

Vc está sabendo da marcha dos 24 contando com o motorista? “

Julian Rodrigues responde mais uma vez.

“Toni, não, não tou sabendo.
Agora, o que me deixa perplexo são os factóides.
O que é “gayfobia”? Que autor usa esse conceito? Que movimento social convencionou isso?
Se bem para quem cria uma associação só de HOMENS, quando cada vez mais, precisamos de uma pauta feminista, de protagonismo de mulheres e trans, nada é de se espantar.
Factóides, factóides, factóides
Julian”

Finalmente, Luiz Mott, co-fundador do Grupo Gay da Bahia (GGB), resolve pronunciar-se sobre as barbaridades que estavam sendo ditas por dois dos maiores líderes da ABGLT.

Dr. Toni Reis, mestrando Julian e colegas

Esse vosso deboche em relação a marcha da ARTGAY em Maceió e ao conceito GAYFOBIA merece repúdio geral e vosso pedido de desculpas, pois reflete aí sim, futrica, tentativa de desmoralizar, sectarismo, desmsoralizacao de pessoas/grupos/associação que como a abglt, lutam contra a homofobia. Fogo amigo dentro de nossas ONGs?!

Lastimável. Recurso de quem está com os dias contados para perder o poder sem fazer sucessor e infelizmente, sobretudo o Toni está emporcalhando com comentários deste tipo teu antigo histórico fundamental na presidência da abglt. Não perca a compostura.

Você mesmo foi alvo de numero ínfimo de adesões por exemplo, na polemica com Malafaia, quantas das 237 ONGs da abglt te apoiaram? Nem 20.
E quantos votaram em Victor Wolf na ultima eleição on line? 14.

Quanto a acusação de julian que a ARTGAY, a marcha de Maceió e a denuncia de gayfobia são factóides, ótimo, são bons factóides sim como diz o Aurélio, ~” Fato, verdadeiro ou não, divulgado com sensacionalismo, no propósito deliberado de gerar impacto diante da opinião pública e influenciá-la:” e por acaso é mentira que nós gays somos vitiimas especificas de gayfobia? E tais factóides não ganharam mídia e fizeram certamente muitos homofobicos a reverem sua intolerância?

Julian, deixe de ser alienado e egodistonico, esssa estória de ficar defendendo mais aborto, nome social, marcha das vadias, oscambau deixando de defender nosso próprio grupo que atinge 12% de casos de HIV-aids contra 0,9% de heteros, tal omissão é o que? GAYFOBIA mesmo, como se so as pobrezinhas das outras minorias merecessem atenção. Isso é alienação, falta de autoestima, demagogia de pretensos salvadores da pátria., média com a mídia. Apoiamos sim a luta das demais minorias, intransigentemente, mas porque desprezar e menosprezar nossas próprias bandeiras enquanto gays?
Tem sentido sim nós gays nos reunirmos em associação especifica para lutar por nossas demandas especificas, como fazem os jovens, mulheres, trans, lesbicas, etc.
Quanto ao conceito de gayfobia, que elitismo academicista é esse de querer desqualifica-lo via necessidade de sua autorização e legitimação por algum “autor”. Que absurdo, desenterrar o “ex cathedra” como critério para legitimar a Vox populi gay!

Pois veja então abaixo que tanto em lingua inglesa quanto francesa GAYPHOBIA e GAYPHOBIE são correntemente utilizados. E se precisar de um autor para legitimar, o Prof.Dr.Luiz Roberto de Barros Mott, pesquisador do nível mais elevado do CNPq, Prof.Titular da UFBa, autor de verbete no Dicctionaire de l’Homophobie dirigido pelo G.L.Thin, o mesmo que instituiu o dia mundial contra a homofobia, pois é, eu LEGITIMO a correição epistemológica e justeza política ja que tenho méritos acadêmicos reconhecidos nacional e internacionalmente superiores aos curricula de vocês dois juntos e dos quantos se arvorarem em descredencia-lo. Já que apelam para a falta de um autor MAGISTER DIXIT, engulam então essa: Roma locutta, causa finita…
Tudo isso é besteira, toni e julian, é a práxis que legitima nossa luta e não conceitos teóricos, a teoria passa, caduca. Estaremos vivos pra ver as ridicularias da teoria queer caducarem de podre. Pode escrever e me cobrar!

E a atitude de vocês e dos que se opõem a ARTGAY reflete intolerância, mandonismo, resistência a dialogar com a diferença, com a oposição. Tem homofobia/gayfobia para todo mundo lutar contra. Não queiram continuar sendo donos da verdade nem se manter na hegemonia exclusiva. Tudo acaba, tudo passa, e vosso controle da abglt está com os dias contados. Profecia de Nostradamus e dos maias…
Aguardem a divulgação breve dos 10 EQUIVOCOS GRAVES DA ATUAL DIRETORIA DA ABGLT QUE JUSTIFICAM RENOVAÇAO TOTAL DE SEUS QUADROS.

Cordialmente,
Luiz Mott, co-fundador da ABGLT e Decano do MHB

Deputado homossexual de Partido Conservador Britânico anuncia apoio ao casamento gay

O político britânico Crispin Blunt, deputado e Secretário de Estado para as Prisões e Justiça Juvenil, anunciou nesta semana seu apoio a campanha em favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo. O político se divorciou de sua esposa em 2010, com quem viveu por 20 anos, e tornou pública sua homossexualidade.

O deputado, abertamente gay, gravou um vídeo para a campanha, dizendo que “devem aprovar a união entre pessoas do mesmo sexo, por isso estou Out 4 Marriage (nome da campanha inglesa)”.

“Desde que eu nasci, em 1960, o ritmo das mudanças em torno de questões de igualdade tem aumentado e tem sido impressionante. Ainda assim, questões como casamento gay e da falta de acesso ao mesmo, são vistas como anomalias, e são exemplos de que a desigualdade ainda existe, mas todos concordam que é inaceitável”, disse o político, argumentando que a sociedade britânica reconhece a violação dos direitos da comunidade LGBT, que está impedindo o acesso a casais gays casamento.

(via Universo Gay)

Adolescentes sofrem agressões homofóbicas durante festa no interior da Paraíba

ATUALIZAÇÃO (29/05/12 – 22h24):

 

Segundo diversos sites de notícias, os próprios ‘agredidos’ confessaram que começaram a briga, que não teve motivação homofóbica.

 

Segue o relato de Kika Naelle, que também compartilhou as fotos do menor agredido no Facebook.

“Não passou de uma grande mentira o caso de agressão a um menor por caso de homofobia, no evento Micaranhas, na cidade de São José de Piranhas na Paraíba.

O menor usou de má fé para comigo e mais dois amigos e isso me incentivou a iniciar o movimento expondo a minha indignação sobre o caso. Não só eu como também outros dois amigos acreditamos na versão relatada pelo menor, que disse ter sido agredido, vítima de agressão física e moral pelo fato de ser homossexual.

Como é sabido, o menor estava com um grupo de amigos no evento e foram agredidos, porém, os próprios confessaram após a repercursão em grande massa nas redes sociais, rádios e afins que estavam realmente cometendo atos de vandalismo no camarote do evento, e sendo assim o suposto agressor os alertou de uma provável expulsão do local caso não cessassem a baderna. O que poucos sabem é que não existiu nenhum ato de homofobia contra o grupo e que o suposto agressor na verdade foi o agredido . O grupo insatisfeito com o alerta proferiu atos obscenos para o suposto agressor, causando a indignação do mesmo.

O menor inventou isso para que assim fosse feita justiça, nas palavras do próprio “só assim ele pagaria pelo o que ele fizeram com a sua cara”. O grupo compactuou com versão de homofobia, dizendo manter essa alegação na delegacia e onde fosse necessário, justificando esse ato de inconsequência, ou seja, essa mentira com a indignação que sentiram ao ver o amigo menor naquele estado.

Venho por meio das redes sociais (como tudo começou) tentar me redimir quanto ao ato precipitado. Quis ajudar uma pessoa que pensei ser meu amigo e acabei prejudicando uma pessoa inocente. Isso me serviu como aprendizado e espero encarecidamente que a mesma repercussão da justiça em prol de uma mentira seja feita, agora, em prol de uma verdade e que sirva de exemplo: Antes de se tomar uma atitude num caso como esse, investigar as duas versões da história”.

Procurei entrar em contato com o menor, que me cedeu entrevista por telefone na tarde de ontem, mas ele não atende os telefones e excluiu seu perfil no Facebook.

Aos leitores do Blog, peço a compreensão. As vezes, nossas fontes mentem, e só nos resta a retratação ante ao acontecido.

 

***

 

Quatro jovens, entre eles um menor de idade, foram espancados por três homens em uma festa no interior da Paraíba, no noite deste domingo (27). O evento, um carnaval fora de época chamado Micaranha, acontece anualmente em São José de Piranhas, no Sertão Paraibano, foi o pano de fundo para mais uma agressão violenta a homossexuais.

De acordo com o menor agredido, Pedro* , de 16 anos, ele e mais quatro amigos, dois rapazes (de 19 e 20 anos) e duas garotas (18 e 22 anos), todos homossexuais, estavam em um dos camarotes da festa, quando um grupo de três homens passou e começou a proferir ofensas homofóbicas. “Estávamos apenas bebendo e nos divertindo quando as ofensas começaram, nem abraçados estávamos”, diz o jovem.

Como defesa, eles começaram a vaiar os agressores. Um dos homens, de 30 anos, voltou para o camarote e começou a agredir o jovem de 19 anos. Pedro* partiu em defesa do amigo e também acabou agredido. “Nem as meninas escaparam e também foram agredidas”, conta.

Além do homem, outros dois também participaram das agressões, e fugiram logo em seguida. Segundo o menor, a polícia estava no local e nada fez para interromper as agressões. “Nem levar a gente na delegacia eles quiseram, tivemos que ir sozinhos”, relembra. Ele diz ainda que tiveram de enfrentar o descaso das autoridades diante do fato, já que, na delegacia, um policial teria dito a eles que ‘o caso não iria dar em nada’.

Segundo Pedro* , seus pais sabem de sua orientação sexual e lidam bem com a situação. Na escola e entre seus amigos, ele diz que nunca sofreu nenhuma discriminação, mesmo morando em uma cidade do interior da Paraíba. “Nunca tinha sido xingado, nem agredido. Mas não estou com medo, não acredito que isso vá acontecer novamente”. Ele e os amigos devem procurar a delegacia nesta segunda-feira (28) para prestar queixa contra os agressores.

*Nome fictício