Diversidade, em todos os sentidos

Confiram a seguir uma troca de e-mails na comunidade de ABGLT.


Companheiras/os,

Entendo que não há contradição entre as diversas formas de luta do movimento LGBT. Fazer a Marcha em Brasilia foi um passo importante na consolidação da ABGLT e das táticas do nosso movimento. Demoramos quase uma década – das cogitações iniciais à I Marcha – para concretizar a proposta, com substância política. Será que não é melhor avaliar com muita calma a III Marcha para depois querer mudar tudo, de uma hora pra outra, sem reflexão mais fina? Será que não estamos sendo apressados, voluntaristas, pensando mais com o “fígado”, impressionados com um eventual resultado abaixo da expectativa?

Não vamos jogar a criança fora junto com a água suja da bacia!!! Melhorar, reavaliar, sim. Descartar uma grande conquista e ferramenta de luta, visibilidade e incidência política, assim, “a seco”, não parece algo inteligente, nem sensato. Temos Congresso Estatuinte, temos Congresso sucessório. Dá para debater o tema com calma. No mais, uma coisa não inviabiliza outra. Podemos fazer Marchas nos Estados no início de maio e fazer a Marcha para Brasilia na semana do dia 17 de maio. Seria mais um reforço. Ou podemos fazer a Marcha à Brasília bianualmente. E a intercalaríamos com Marcha simultâneas nos Estados.

Enfim, esse é um apelo para reflexão detida, principalmente para os que estão visivelmente chateados pelos episódios da III Marcha e podem não estar com o necessário distanciamento para julgar com isenção”.

(E-mail encaminhado por Julian Rodrigues, membro da diretoria da ABGLT e da setorial LGBT do PT)

Em seguida, a resposta do presidente da ABGLT, Toni Reis, referindo-se em tom jocoso sobre a manifestação contra a ‘gayfobia’, promovido pela ONG ArtGay, de Maceió (AL).

“Julian ótimas reflexões.

Vc está sabendo da marcha dos 24 contando com o motorista? “

Julian Rodrigues responde mais uma vez.

“Toni, não, não tou sabendo.
Agora, o que me deixa perplexo são os factóides.
O que é “gayfobia”? Que autor usa esse conceito? Que movimento social convencionou isso?
Se bem para quem cria uma associação só de HOMENS, quando cada vez mais, precisamos de uma pauta feminista, de protagonismo de mulheres e trans, nada é de se espantar.
Factóides, factóides, factóides
Julian”

Finalmente, Luiz Mott, co-fundador do Grupo Gay da Bahia (GGB), resolve pronunciar-se sobre as barbaridades que estavam sendo ditas por dois dos maiores líderes da ABGLT.

Dr. Toni Reis, mestrando Julian e colegas

Esse vosso deboche em relação a marcha da ARTGAY em Maceió e ao conceito GAYFOBIA merece repúdio geral e vosso pedido de desculpas, pois reflete aí sim, futrica, tentativa de desmoralizar, sectarismo, desmsoralizacao de pessoas/grupos/associação que como a abglt, lutam contra a homofobia. Fogo amigo dentro de nossas ONGs?!

Lastimável. Recurso de quem está com os dias contados para perder o poder sem fazer sucessor e infelizmente, sobretudo o Toni está emporcalhando com comentários deste tipo teu antigo histórico fundamental na presidência da abglt. Não perca a compostura.

Você mesmo foi alvo de numero ínfimo de adesões por exemplo, na polemica com Malafaia, quantas das 237 ONGs da abglt te apoiaram? Nem 20.
E quantos votaram em Victor Wolf na ultima eleição on line? 14.

Quanto a acusação de julian que a ARTGAY, a marcha de Maceió e a denuncia de gayfobia são factóides, ótimo, são bons factóides sim como diz o Aurélio, ~” Fato, verdadeiro ou não, divulgado com sensacionalismo, no propósito deliberado de gerar impacto diante da opinião pública e influenciá-la:” e por acaso é mentira que nós gays somos vitiimas especificas de gayfobia? E tais factóides não ganharam mídia e fizeram certamente muitos homofobicos a reverem sua intolerância?

Julian, deixe de ser alienado e egodistonico, esssa estória de ficar defendendo mais aborto, nome social, marcha das vadias, oscambau deixando de defender nosso próprio grupo que atinge 12% de casos de HIV-aids contra 0,9% de heteros, tal omissão é o que? GAYFOBIA mesmo, como se so as pobrezinhas das outras minorias merecessem atenção. Isso é alienação, falta de autoestima, demagogia de pretensos salvadores da pátria., média com a mídia. Apoiamos sim a luta das demais minorias, intransigentemente, mas porque desprezar e menosprezar nossas próprias bandeiras enquanto gays?
Tem sentido sim nós gays nos reunirmos em associação especifica para lutar por nossas demandas especificas, como fazem os jovens, mulheres, trans, lesbicas, etc.
Quanto ao conceito de gayfobia, que elitismo academicista é esse de querer desqualifica-lo via necessidade de sua autorização e legitimação por algum “autor”. Que absurdo, desenterrar o “ex cathedra” como critério para legitimar a Vox populi gay!

Pois veja então abaixo que tanto em lingua inglesa quanto francesa GAYPHOBIA e GAYPHOBIE são correntemente utilizados. E se precisar de um autor para legitimar, o Prof.Dr.Luiz Roberto de Barros Mott, pesquisador do nível mais elevado do CNPq, Prof.Titular da UFBa, autor de verbete no Dicctionaire de l’Homophobie dirigido pelo G.L.Thin, o mesmo que instituiu o dia mundial contra a homofobia, pois é, eu LEGITIMO a correição epistemológica e justeza política ja que tenho méritos acadêmicos reconhecidos nacional e internacionalmente superiores aos curricula de vocês dois juntos e dos quantos se arvorarem em descredencia-lo. Já que apelam para a falta de um autor MAGISTER DIXIT, engulam então essa: Roma locutta, causa finita…
Tudo isso é besteira, toni e julian, é a práxis que legitima nossa luta e não conceitos teóricos, a teoria passa, caduca. Estaremos vivos pra ver as ridicularias da teoria queer caducarem de podre. Pode escrever e me cobrar!

E a atitude de vocês e dos que se opõem a ARTGAY reflete intolerância, mandonismo, resistência a dialogar com a diferença, com a oposição. Tem homofobia/gayfobia para todo mundo lutar contra. Não queiram continuar sendo donos da verdade nem se manter na hegemonia exclusiva. Tudo acaba, tudo passa, e vosso controle da abglt está com os dias contados. Profecia de Nostradamus e dos maias…
Aguardem a divulgação breve dos 10 EQUIVOCOS GRAVES DA ATUAL DIRETORIA DA ABGLT QUE JUSTIFICAM RENOVAÇAO TOTAL DE SEUS QUADROS.

Cordialmente,
Luiz Mott, co-fundador da ABGLT e Decano do MHB

Comentários em: "Luiz Mott detona presidente e diretor de ABGLT em troca de e-mails" (2)

  1. Que venham muitos movimentos e manifestações orientados por lideranças de ONGs ou simplesmente promovidos por gente quase anônima, saída do meio do povão, mas com coragem para mostrar a cara para esse Brasil hipócrita e indiferente. Eu quero mais é ver a terra tremer com com a marcha, com o grito, com o canto, com a dança, com os abraços e beijos, com o orgulho dessa gente L, G, B, T, T, T, I e aliados, gente cansada de tanta babaquice, tanta caretice (como dizia Cazuza).

    Como eu já disse antes, venha de onde vier o apoio à causa dos direitos LGBT, que é uma causa humanista, uma causa calcada em direitos humanos, pode vir de deuses, capetas, ETs, duendes, gnomos, político, sacerdote, puta, freira, enfim, se usar meios legítimos para fins legítimos, terá meu apoio, SEMPRE!

    Adiante, cavalheiras e damos!!!! “Toda casa dividida contra si mesma não subsistirá.” (Mateus 12:25) De vez em quando a gente acha alguma coisa que preste aí também.😉

    Sergio Viula
    http://www.foradoarmario.net

    P.S.: Essa foi minha humilde participação nessa discussão, enviada hoje pela manhã.

  2. […]  Debate (via e-mail, transcrito em Blog) entre Toni Reis e Luiz Mott […]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: