Diversidade, em todos os sentidos

eo001

Ninguém sai de um show de Ellen Oléria da mesma maneira que entrou. Ninguém sai impune dos versos próprios (já que todos os que ela canta, sendo de sua autoria ou não, são só dela) da cantora, compositora e atriz brasiliense de 30 anos, negra, lésbica, e fora dos padrões estéticos de capa de revista feminina. Letras que falam do dia a dia das minorias, do preconceito e da discriminação encontram brechas em temas de amor, paixão e do cotidiano de Ellen, batem fundo em quem sabe bem o que tudo isso significa na pele. Pouco antes do seu show em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, em João Pessoa (PB), conversei com a ganhadora da primeira edição do reality show The Voice Brasil, na companhia de sua namorada, assessora de imprensa e companheira de todas as horas, Poliana Preta.

Texto: William De Lucca

Fotos: William De Lucca e Ricardo Puppe

William De Lucca – Você é mulher, negra, lésbica e está fora dos padrões estéticos ‘cobrados’ numa sociedade machista, misógina, racista e homofóbica. A sua presença na mídia, por si só, já pode ser considerada uma subversão?

Ellen Oléria – Acho que isso é até uma unanimidade. Acho que sim, acredito que fui fazer uma bagunça lá no The Voice Brasil. Quando fui encontrar a equipe do programa pela primeira vez, pra fazer um registro, perguntaram o que eu ia levar ao programa. Ainda sem saber muito sobre como seria o formato, eu disse que discordava da frase de Gil Scott-Heron, de que a revolução não seria televisionada, porque se eu fosse pra TV ia ter revolução (risos). Foi mesmo, pelo menos na minha vida, que hoje é outra, minha vida deu uma reviravolta. Eu fico feliz de chegar na casa de tantas famílias como as nossas, um retrato tão colorido e diverso, e poder ver tantas gerações emocionadas com esse som.

eo003 

WL – Você já disse em algumas oportunidades que não gosta de falar sobre as vezes que sofreu preconceito, mas como você lida quando uma situação dessas de discriminação acontece?

EO – Eu não sei. É o tipo de coisa que, quando a gente põe os pés no chão de manhã e escolhe a roupa pra experienciar o dia, encontrar o sol ou ver a lua, a gente não se organiza pra uma situação de violência. Não é o que a gente espera encontrar, e esse é um dos motivos pelos quais eu não assisto TV, pra não ficar ‘fervendo’ esse tipo de noticia ruim em casa. Não quero pra mim, não quero pro meu dia, eu tô chamando outras coisas. Eu vou te dizer que ante a uma situação de violência, eu só posso reagir com o inusitado. Acho mesmo que muitas vezes uma defesa vira um ataque, um contra ataque. Muitas vezes eu não estou disponível pra ocupar a função de vitima social. A violência comigo não vai ter vez não, como diria minha mãe, “quem dá, leva saco pra trazer” (risos).

WL – A homofobia no Brasil tem cura?

EO – Acho que temos varias patologias sociais no Brasil, de toda sorte. Quando observo tantas formas de culto diferentes, entendo até que o homofóbico precisa ter um lugar no planeta, contanto que ele não me prejudique. Como disse a Rita Lee, “quem não esta do meu lado, que saia da minha frente”. Eu acho que cabe também o tal do homofóbico, mas o grande lance está em encontrar essas ideologias diversas e trazer pra um plano saudável nossas garantias de espaços de atuação. Outro dia, quando eu fui visitar minha mãe, peguei um ônibus e sentei do lado de um homem branco, careca, e quando me sentei ao lado dele, ele botou a mão na divisória dos bancos, pra mostrar uma tatuagem que marca ele como parte de um grupo que diz que me odeia. O que eu posso fazer? Eu também estou indo, estou no ônibus e eu também vou, acho que a gente vai ter que dividir este espaço (risos). Se eu estou incomodando ele, de alguma maneira ele também me incomoda, acho que a gente lida com estes incômodos. Desci tranquilamente do ônibus, cheguei em casa em segurança, ele também. Acho que pode ser por aí.

WL – Gilberto Freyre disse, no começo do século passado, que o Brasil vivia uma democracia racial. Hoje, em 2013, o quão errado você acredita que Freyre estava?

EO – Nem precisava pensar nisso no nosso tempo, vendo os livros de historia a gente percebe que a democracia racial é uma balela. Sem o inocentamento do outro não há a possibilidade de ‘polis’ inter-racial, pra gente estar junto a gente precisa inocentar. Não precisamos mais desse lugar de um algoz e uma vítima, as gerações que vieram antes de mim trouxeram um debate violento, muitas vezes populista. As próprias ferramentas institucionais ainda carregam os signos dessa construção de um projeto de nação que não é pra todo mundo. A gente tem recortes de gênero, raça, econômicos, de afetividades diversas, vivemos num pais com uma herança bizarra de perseguição e extermínio de várias correntes de pensamento. A gente tinha tantas línguas aqui, a nossa cultura seria muito mais diversa. Além de seguir sobrevivendo, eu sigo procurando minha paridade, onde estão meus pares, pra gente se manter viva.

WL – Você nunca foi militante de nenhum movimento social organizado. Ainda assim, você acredita que o ‘ativismo do dia a dia’ é tão importante para as conquistas da minoria quanto os movimentos organizados?

EO – Inclusive para esta conquista eu vou até me declarar lésbica, trazer a vista. A gente em Brasília usa muito lésbica ao invés de gay pra colocar a gente embaixo do holofote, ou sapatão (risos). Acho que sim, basicamente o que importa pra mim é o cotidiano, meu projeto politico impregna as ações do meu dia, determinam minhas ações no dia. Meu discurso está cheio disso também, minha musica, minhas conversas com meus amigos, minha dieta (vegana), acho que a gente vai testando. Uma hora a gente acerta o passo e vai ter mais possibilidades de dar as mãos.

WL – E você pretende casar? Ter filhos?

EO – Na verdade, a gente já casou umas 37 vezes. [WL – e no papel?] No papel? Ainda não chamam de casamento né? [WL – Lá no Distrito Federal já dá pra casar sim…] Ah, Poli, ele está perguntando se a gente vai casar, você quer casar comigo? (Ellen gritou pra namorada, Poli Preta, que saiu correndo para abraça-la e responder que quer sim casar). Então, a gente vai casar. Varias cerimonias, votos, de tudo um pouco.

WL – Você acredita que a gente pode ter um Brasil mais tolerante amanhã?

EO – A gente precisa acreditar. Sempre perguntam que legado a gente que deixar pros nossos filhos. Eu não tenho filhos, eu quero que seja hoje, não quero pensar nisso pro futuro não, eu quero já. A gente existe e, na verdade, isso não precisava nem ser pauta das nossas conversas, a gente tem de lidar com isso. A gente está aqui também e cabe todo mundo.

IMG_9838

Comentários em: "Ellen Oléria: “Até o homofóbico tem seu lugar, contanto que não me prejudique”" (13)

  1. nelson muniz disse:

    Amei!

  2. Rafael Lelis disse:

    Fofa

  3. Catarina disse:

    Uma linda, maravilhosa!

  4. Normally I do not learn post on blogs, but I wish to say that this write-up very forced me to try and do so! Your writing taste has been amazed me. Thank you, very nice post.

  5. Roberta Schultz disse:

    De Lucca, sua entrevista com Ellen foi demais, arrasou! Parabéns! Amei! Bjs.

  6. Lindíssima! *-*

  7. Marcelo Holanda disse:

    Que prazer ter topado com a Ellen ontem, 24/7, nos corredores da UnB. Tão simples e, tamanha simplicidade, tão elegante e única. A arma dela, a voz, é a passagem para, e a minha esperança de, dias melhores.

  8. Márcio disse:

    Me desculpa, mas achei a entrevista uma porcaria. Que tipo de entrevistador já dá, nas perguntas, a resposta que ele espera? Você usa mais adjetivos para o Brasil e a sociedade brasileira que a própria entrevistada! Não dá para pelo menos tentar ser um pouco mais imparcial?

    Ellen é ótima cantora, embora não concorde com todos os seus pontos de vista, e com certeza só tem a acrescentar no nosso cenário musical. Mas, e isso vale para todos os artistas de todas as correntes, um dom artístico e aparecer na televisão não faz de alguém uma autoridade em qualquer outro assunto. No quesito história, política e sociedade, tanto a cantora quanto o entrevistador precisam muito estudar antes de escolher “lados” e “teses” a defender (estudar de verdade, de autores que ao menos tentam ser imparciais, e não só ler panfletos ideológicos).

    • E é? Me conta mais sobre suas experiências como jornalista? Me fala da sua formação e dos lugares onde você trabalha ou já trabalhou? Podemos trocar ideias sobre teoria da comunicação e sobre como eu posso construir uma entrevista sobre diversidade e preconceito em uma página engajada e ativista.🙂

  9. Julio disse:

    #Lindíssima#Diva

  10. Ellen Oléria é a voz de Deus em cólera!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: