Diversidade, em todos os sentidos

O deputado federal Jean Willys (Psol-RJ) passou por João Pessoa em setembro e pude conversar com ele. em entrevista exclusiva, durante cerca de 15 minutos. Apesar da conversa breve (e franca), conversei sobre homofobia e movimento LGBT. Confiram o material (com fotos de Cleide Teixeira). Ele também pode ser lido na edição desta quinta-feira do Jornal da Paraíba.🙂

Como você avalia os números de assassinatos motivados por homofobia na Paraíba? Já foram 17 só neste ano.

Jean Wyllys – Estes dados comprovam uma tendência que as estatísticas frágeis comprovam de que os estados do Nordeste são estados com grandes índices de homofobia, a despeito de São Paulo, onde os crimes de homofobia têm crescido de forma assustadora. Isso acontece porque nos estados do Nordeste o machismo, o sexismo, a homofobia, vigoram com mais força do que nos estados do Sudeste. Nós lidamos com estatísticas precárias, a gente não tem um instrumento de avaliação dos crimes homofóbicos, apenas um levantamento que é feito pelo GGB com uma metodologia que não é precisa, enquanto a Secretaria de Direitos Humanos, através da Ministra Maria do Rosário vem tentando desenvolver estatísticas mais precisas com o Disk-100. O que eu posso avaliar em relação a estes crimes aqui na Paraíba é isso, a confirmação de uma tendência. É lamentável. A maioria das vítimas desses crimes são travestis e transexuais, confirmando outra tendência, de que o segmento mais vulnerável da comunidade LGBT são as transexuais, que já sofrem uma violência ao serem excluídas do mercado de trabalho e são empurradas deliberadamente para a prostituição. Elas se tornam vulneráveis ao tráfico internacional de pessoas, ao trabalho escravo sexual e a violência, seja por conta de quem alicia e explora o serviço delas, seja por quem freqüenta a noite.

 

Você acredita que hoje os casos de violência contra homossexuais estão mais comuns ou apenas estão sendo mais divulgados?

Jean Wyllys – As duas coisas. Os casos hoje são mais divulgados, já que a população tem mais instrumentos de divulgação desses crimes, como as redes sociais, o YouTube, os blogs, e antes a primazia da divulgação desses crimes era da imprensa. Hoje pessoas comuns podem fazer denúncias e servir até de fonte pra imprensa. Mas o número de crimes está aumentando como uma reação as conquistas da comunidade LGBT, que tem feitos conquistas significativas em termo de visibilidade, já que o Brasil é o país com maior número de Paradas Gays no mundo, temos as conferências LGBT em todo o país, a Conferência Nacional, etc. Estas conquistas têm provocado uma reação nos setores mais conservadores que tem respondido, não só com campanhas difamatórias, mas também com os crimes propriamente ditos.

 

Por que é tão difícil aprovar legislações específicas em relação aos direitos gays no Congresso? A PLC 122, chamada de lei contra a homofobia, por exemplo, não consegue avançar…

Jean Wyllys – Porque os direitos LGBTs fazem parte do que se convencionou chamar de ‘causas polêmicas’. Existem as causas unânimes, como os direitos das crianças, o meio ambiente, dos idosos, e destes, nenhum parlamentar pensa duas vezes antes de dizer, ainda que seja da boca pra fora, que são a favor.  Mas muitos deles se colocam publicamente contra a cidadania LGBT e esta é a principal dificuldade na aprovação de leis. A homossexualidade é tratada como uma questão moral e não como uma questão da violação de direitos humanos, de liberdades civis. Muita gente acha que é legitimo alguém perder direitos ou ser violados nos seus direitos humanos por ser homossexual e é o mesmo pensamento que já norteou, por exemplo, a violência contra os negros, contra as mulheres. Muita gente achou que era legítimo e ‘natural’ que as mulheres não votassem, porque elas seriam ‘naturalmente inferiores’, um pensamento que hoje e rechaçado por ser absurdo e que muito tempo foi sustentado por políticos. Já hoje, você vê que um pensamento como este é sustentado por vários parlamentares, inclusive por parlamentares aqui da Paraíba.

 

Você acredita que os parlamentares que aparecem criticando a luta dos homossexuais publicamente, como Jair Bolsonaro (PP-RJ) ou Marcos Feliciano (PRB-SP), querem apenas ganhar visibilidade com a polêmica?

Jean Wyllys – São oportunistas porque querem construir uma cortina de fumaça para que a população não preste atenção naquilo que interessa mesmo. Pra mim, o que deveria importar para a população são as igrejas neopentecostais gozarem de livre isenção fiscal e arrecadarem milhões de reais sem prestar contas a sociedade. Você viu que recentemente o Ministério Público de São Paulo ajuizou ação contra Edir Macedo (bispo da Igreja Universal e da TV Record) por lavagem de dinheiro, evasão de divisas e formação de quadrilha. Você pode imaginar o quanto do dinheiro para saúde, segurança pública, educação já foi desviado nesta evasão de divisas por sonegação? Isso deveria ser de interesse da população. Mas quando você levanta a questão da homossexualidade como uma questão moral você cega a população para aquilo que realmente interessa. São caroneiros, oportunistas, que não tem uma agenda nem um conjunto de trabalhos para o Brasil e que aparece publicamente e ganham espaço rechaçando os direitos dos homossexuais.

Ficou alguma mágoa por você não ter tido apoio do Movimento LGBT durante sua campanha, que agora tanto reivindica em seu mandato?

Jean Wyllys – Não ficou nenhuma mágoa, os LGBTs não têm culpa de não apoiarem os seus quadros, da mesma maneira que as mulheres e negros não tem culpa de serem sub-representadas no Congresso Nacional. Mulheres, negros, indígenas e homossexuais são primeiro destruídos na relação que tem consigo mesmo. O primeiro sintoma para desarticular politicamente estes grupos é destruir a relação positiva que eles podem ter consigo mesmo e com seus semelhantes, fazendo com que os negros introjetem o racismo, que as mulheres introjetem o machismo, que os gays introjetem a homofobia. O fato dos LGBTs não votarem nos seus quadros é fruto desta homofobia internalizada, então não tenho nenhum tipo de mágoa por conta disso.

O Movimento LGBT nunca teve um representante legitimo, apesar de já ter tido deputadas e senadores que lutaram pelos direitos dos homossexuais. Você acredita que por conta disso os gays não gozam de tanta proteção do estado e que sua eleição pode ser um marco para os direitos gays no Brasil?

Jean Wyllys – Acho que os gays não gozam de tanta proteção do estado e de um conjunto de proposições legislativas e dispositivos legais que os protejam também por que não têm representantes e eles são incapazes neste momento de se organizar politicamente e eleger representantes que possam lutar por isso que eles não têm.  A comunidade gay existe e está inscrita na topografia das cidades e é constituída pela própria injúria de que ela é vítima. A injúria contra os homossexuais acaba construindo a homossexualidade no seu coletivo, e eles existem como um coletivo disperso, sem um projeto político em comum, e esta incapacidade de se juntar e traçar um projeto político em comum faz parte da estratégia do sistema para destruir a auto-estima das pessoas pra que elas não conquistem direitos. Guardando as devidas proporções, o mesmo acontece com os negros e com as mulheres. Não vou fazer um exercício de futurologia e dizer que serei este expoente. Eu sou apenas um militante dos direitos humanos e que acredita que podemos construir um mundo onde o bem de todos seja levado em conta, num estado democrático de direito, um estado de bem estar social que possa usar parte de sua riqueza para o bem do seu povo. Eu estou pensando no direito de expressão da sua identidade e do seu afeto, um povo rico não é só um povo sem pobreza, mas um povo livre para expressar suas diferentes identidades, suas diferenças. Não fui eleito pelo movimento e meu compromisso com o movimento passa apenas por aí, pelas causas em comum, não tenho outra aliança com o movimento que não seja essa. Respeito o movimento LGBT, acho que ele tem acertos e equívocos, e que sua principal tarefa, que era ampliar sua base social, ele não fez durante estes anos, então ele tem representação midiática, mas não tem base social. A tarefa de despertar a consciência no grande público LGBT não foi feita ainda, esta para ser feita e acho que minha atuação política colabora pra isso.

 

O polêmico pastor evangélico Silas Malafaia tem um discurso muito incisivo contra os direitos dos homossexuais e fala do risco da criação de  uma ‘ditadura gay’, após a aprovação da união civil entre pessoas do mesmo sexo e da proposta de lei contra a homofobia. Você acredita que  este risco existe, ou, pelo contrário, há o risco de ter cada vez mais influência da igreja no Estado, com a eleição de deputados e senadores ligados a grupos religiosos?

Jean Wyllys – Vou citar as palavras do Pastor Ricardo Gondim, que eu respeito muito e que prova que o cristianismo tem quadros que são totalmente o contrário destes fundamentalistas: “Deus me livre de um Brasil evangélico”. Quando eu digo isso, eu digo de um país fundamentalista, que cerceia a liberdade de expressão, nossas manifestações culturais, que censure a nossa música, que transforme a TV num espaço de reprodução de seus dogmas. Neste sentido, corremos muito mais risco de termos uma ditadura fundamentalista cristã do que uma ditadura gay.

Comentários em: "Entrevista exclusiva: Deputado Federal Jean Wyllys fala sobre homofobia" (17)

  1. Faltou perguntar ao deputado quando e o que está esperando para cumprir sua ameaça e finalmente denunciar o país perante a comissão interamericana de direitos humanos da oea pela omissão em criar mecanismos eficazes no combate à homofobia (legislação inclusive).
    Ou pretende ficar como mais uma personagem pública gay a se dedicar a ameaças que não chegam a lugar algum?

    • A entrevista foi muito curta… Tinha uma lista de umas 15 perguntas, mas não deu tempo, tinha só 15 minutinhos.🙂

  2. Parabéns pelo blog e pela entrevista. Votei em Jeam e me sinto muito bem representada como eleitora e cidadã

  3. Adorei a entrevista, pelos “15 minutinhos”, conseguiu ilustrar bem a postura política dele e a homofobia na legislação! Parabéns!

  4. mandy disse:

    “Em entrevista exclusiva jean wyllys fala sobre homofobia” De que esse fala sabe falar além disso?

    • Sobre religiões afro, sobre educação, sobre um monte de coisas. Mas este entrevista, especificamente, foi sobre homofobia.🙂

  5. igor az disse:

    Parabens pela entrevista, não posso negar que ele me surpreendeu, corretamente fui preconcentuoso por ser ex-bbb.
    Mas esse me fez queimar a lingua …rs

  6. JULIANA disse:

    VAO SE VOLTAR A FAZER MATERIAS PRODUTIVAS CHEGA DESSE BLA BLA DE HOMOFOBIA, ME POUPE UM MONTE DE CRIANÇA MORRENDO TODO DIA VITIMAS DO TRAFICO E MAIS UM MONTE DE PORCARIA E VCS ENCHENDO A CABEÇA DA GENTE COM ESSAS MORDAÇAS QUE QUEREM COLOCAR EM NOSSAS BOCAS AFIM DE CALAR E MANIPULAR A FAMILIA E O DIREITO DAS PESSOAS DE PENSAR FORA DO PADRAO GAY….TENHO DIREITO DE SER, DE AGIR E DE CRIAR MEUS FILHOS DO JEITO QUE EU QUISER…SEM MATAR NINGUEM QUE PRA ISSO A LEI …IGUALPRA QUALQUER PESSOA ASSASSINADA NO PAIS…

  7. Alberto disse:

    Os Principios Biblicos são unicos…..Vai da sabedoria…sei de uma coisa a Salvação é individual…e outra…DEUS é AMOR e é JUSTIÇA

  8. Alberto disse:

    é como os HOMOXESUAIS FALAM…(DEUS É AMOR) isso é homofobia tb?

  9. Não precisa ser gay. Basta que seja confundido como tal e sua vida estará em risco

    Milton Corrêa da Costa

    Mais um hediondo crime de homofobia ocorre em território nacional. Irmãos gêmeos, confundidos com um casal gay, ao saírem abraçados de uma note de festa em Camaçari, na Grande Salvador, no último domingo (24/06), foram brutal e covardemente agredidos por um grupo de intolerantes, assassinos em potencial, que escudados e encorajados pelo grupo, continuam a ameaçar a vida e a dignidade humana na prática do bullyng, a qualquer hora, em qualquer lugar. José Leonardo da Silva, uma das vítimas do crime hediondo (é inacreditável), recebeu várias pedradas na cabeça, não resistiu e morreu. Seu irmão Leandro, com seqüelas psicológicas para o resto de sua existência, como seus enlutados familiares, teve afundamento na face e recebeu alta do hospital.

    No exato instante em que a oficialização da união entre duas pessoas do mesmo sexo é fato real e irreversível no mundo, a discriminação e a intolerância contra minorias, principalmente contra homossexuais (há discriminação contra índios, negros, pobres, favelados, judeus, etc.), cresce em território nacional. Custam a entender que a sexualidade é um direito privado inatacável. Opção sexual diz respeito à individualidade de cada ser humano. Gay não é sinônimo de falta de caráter e decência. É instinto biológico do prazer sexual diferenciado. Há que se respeitar, portanto, as diferenças.

    O que causa espécie é que boa parte desses homofóbicos intolerantes, muitas vezes sob o efeito de álcool e outras drogas, são jovens de classe média e mesmo classe alta, alguns estudantes de nível universitário, cuja orientação e educação familiar revela-se, da porta pra fora, desprovida de princípios de direitos humanos e conduta cidadã. Comportam-se como violentos e ensandecidos assassinos, da mesma forma que grupos radicais de torcidas de futebol.

    Os que cometeram o grave crime de homofobia e contra a vida dos irmãos gêmeos terão agora o que merecem como frios assassinos: o rigor da lei, o cárcere, o ostracismo e o repúdio social. A delegada Maria Tereza Santos Silva, responsável pela apuração do fato disse tudo: “Estamos em pleno século XX! e matar uma pessoa porque é homossexual é um absurdo”. Absurdo que precisa, pois, mesmo que o crime de homofobia ainda não tenha sido tipificado na lei penal brasileira, por falta de vontade política e descaso, ser punido com o máximo rigor, como crime hediondo, intolerável sob todos os aspectos.

    Ninguém pode ser vítima de tratamento degradante por discriminação de raça, cor, sexo, sexualidade, credo, condição social ou cultural. Aos pais e responsáveis que ensinem aos filhos, sob pena de omissão e conivência com tais crimes, que homofobia e outros tipos de intolerância descabidas são graves violações de direitos humanos. Que a sociedade brasileira aprenda e se conscientize, de uma vez por todas, sob os males de tal prática abominável. Intolerância discriminatória é crime inaceitável. Prisão aos quadrilheiros intolerantes. Preconceito fútil e descabido tem limites.
    Milton Corrêa da Costa é coronel da reserva da PM do Rio de Janeiro

  10. anderson tiago disse:

    eu apoio ele muito ate que eu fiquei apaixonado por ele

  11. marcos disse:

    palavras do sr. deputado: “Quando eu digo isso, eu digo de um país fundamentalista, que cerceia a liberdade de expressão”, ora o que o sr. deputado defende não é justamente cercear minha liberdade de expressão? Além do mais o sr. deputado ganhou as eleições para defender os interesses da nação e não para obter “benefícios” utilizando-se da máquina pública advogando em causa própria. Falar “Deus me livre de um Brasil evangélico” pode, se eu falar “Deus me livre de um Brasil homossexual” sou homofóbico?????

    • Já que você é analfabeto vou explicar: ele disse que seria tenebroso um governo REGIDO COM PRINCIPIOS RELIGIOSOS, EM DETRIMENTO A UM ESTADO LAICO, ONDE TODAS AS RELIGIÕES SÃO RESPEITADAS.

      É foda, visse?

      • Marcos disse:

        Vejo que és letrado, só não tem EDUCAÇÃO e RESPEITO. talvez esse seja o fato de termos uma minoria que quer uma lei para que formalmente possam desrespeitarem aos outros, “REGIDOS PELA LEI DE UM ESTADO LAICO, ONDE TODOS SÃO RESPEITADOS”. Jovem, respeite os outros e obterá respeito. RESPEITO NÃO SE IMPOE, SE CONQUISTA. Uma minoria que não aceita sua própria condição e quer que uma lei os ajude a afimarem sua identidade, porque não conseguem isso sozinhos?? Não posso concordar com isso!!!!

      • E é? Tem que ganhar tantos pontinhos de ~~respeito~~ para conquistar outros pontinhos de liberdades individuais?

        É RPG?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: